Quem inventou esse tal de "reteté"?

Essa foto lembra eu nas igrejas da vida...

Sinceramente, respeito e admiro todas as manifestações religiosas, mas procuro ver as coisas com o olhar do bom entendimento.

O tal do "reteté", em muitos cultos de algumas igrejas que se dizem pentecostais, é uma mistura de pessoas rodando, golpes de karate e umas gritarias esquisitas.

Qual a razão de tudo isso? Qual o propósito relevante dessas experiências? Que fundamento há?

Não posso julgar dizendo que a coisa é forçada, interpretada, encenada. Sou feliz em ser um cristão, que ama Jesus, porém não preciso de esquisitices em meu abitar pra me encher de comunhão com meu Deus...

Já ouvi um defensor dizer que "Deus escolheu as coisas loucas desse mundo para confundir as sábias", e também que o "reteté" é alegria no Espírito, é o explodir da glória de Deus, é o transbordar da unção, capaz de levar a pessoa a perder o domínio do próprio corpo.


O problema é que o reteté se tornou uma cultura tão forte em algumas igrejas, que a maioria das músicas evangélicas levam ao reteté, são feitas no ritmo que proporcione um clima propício para que as pessoas entrem no clima ao invés de se buscar mais comunhão com Deus em oração e adoração.

Tem pregador que, ao concluir a mensagem, pede para que alguém cante uma “música de poder” ou de “fogo”. Cansei de esquisitices no meio cristão, quero continuar buscando a presença de deus, buscando me sentir mais leve, sem precisar dançar um "Jesus-Punpero".

Eu tenho muita coisa ainda pra falar sobre minhas conclusões sobre isso, mais ja é quase 1h da manhã e amanha eu trabalho, e estudo.

3 comentários:

Post a Comment