Um Linux muito fácil de usar

Muita coisa mudou nos últimos 10 anos, das primeiras versões do Linux até as mais
recentes os programadores que estão empenhados neste projeto ao redor do mundo atingiram um
retumbante sucesso. Mesmo assim, ainda hoje, muitas pessoas torcem o nariz quando se fala em
Linux, é comum ouvir frases como: “mas não é muito difícil?”, “com Linux não dá para usar
minha câmera”, “mas eu não sei compilar nada”, “isso é coisa de hacker, eu só quero usar o
computador”, ou até “eu lí em uma revista que o Windows é muito superior”.

O primeiro objetivo deste post é desmistificar esta imagem, por isso não vamos focar a utilização do sistema com o terminal de comando ou qualquer destas coisas ditas “avançadas”, vamos mostrar como usar o Linux lidando quase exclusivamente com suas interfaces gráficas, e mesmo assim vamos conseguir utilizar tudo o que alguém pode precisar em um sistema operacional.

Conhecendo o Shell/ Terminal


O termo Shell se refere aos programas de sistemas do tipo Unix que recebem, interpretam e executam comandos do usuário. Ele funciona como uma linha de comandos, representada por um prompt, que aguarda na tela os comandos do usuário.
A tradução de Shell para português significa "concha". Na informática o Shell, de maneira genérica, é um programa que intermeia o contato entre o usuário e o computador.
Neste sentido genérico poderíamos dizer que o Shell dos antigos MS-Windows 3.1 e 3.11 era o Prompt de Comando, que podia inclusive ser substituído por outro programa, mudando a interface do usuário com o sistema. É claro que comparar o Shell do Lunix com o Prompt de Comando dos antigos MS-Windows é meio desproporcional, já que o Shell é muito mais poderoso.
Existem diversas implementações de Shell, dentre os quais podemos mencionar o csh, tcsh, sh, bash, ksh, zsh e muitos outros. Cada um pode executar comandos gerais do sistema de maneira semelhante, porém possuem estruturas e comandos próprios que os diferenciam. Outra grande diferença entre os diversos tipos de Shell são as facilidades que eles oferecem para o reaproveitamento de comandos e manipulação da linha de comandos26 (nossos exemplos irão, em sua maioria, utilizar o bash).

ATENÇÃO: No Linux uma mesma palavra escrita em caixa alta (MAIÚSCULAS) e caixa baixa (minúsculas) será tratada como duas palavras diferentes. Essa regra vale para diretórios, arquivos, logins (nomes de usuário) e senhas.

Ao utilizar o Shell a primeira coisa que você deve ter em mente é que no Linux caixa alta (MAIÚSCULAS) e caixa baixa (minúsculas) são coisas completamente diferentes. Assim os diretórios abaixo são totalmente independentes e devem ser digitados corretamente para serem acessados:

Os comandos básicos

* ls: lista os arquivos e diretórios da pasta (DIR no DOS);
* clear: limpa a tela (CLS no DOS);
* cd ___: entra em um diretório (igual ao DOS);
* cd: vai direto para o diretório raiz do usuário conectado;
* pwd: mostra o diretório inteiro que você está;
* cat: igual ao TYPE no DOS;
* df: Mostra as partições usadas ou livres do HD;
* |more: lista o arquivo com pausa de linha em linha (exemplo: CAT leiame |more)
* |lpr: imprime o arquivo listado;
* free: mostra a memória do computador (MEM no DOS);
* shutdown: desliga o computador:
* shutdown -r now : reinicia o computador;
* shutdown -h now : desliga o computador (só desligue quando aparecer escrito "system halted" ou algo equivalente); OBS.: O NOW pode ser mudado. Por exemplo: shutdown -r +10 e o sistema irá reiniciar daqui a 10 minutos).
* Reboot: reinicia o sistema instantaneamente
* startx: inicia o X-Windows (interface gráfica) do Linux;
* kde: Inicia a Interface gráfica K Desktop Enviroment;
* mkdir: cria um diretório (MD no DOS);
* rmdir: destrói um diretório VAZIO (RD no DOS);
* rm: apaga um arquivo (DEL no DOS);
* rm -r: apaga um diretório;
* who: mostra quem está usando a máquina;
* wc: conta a quantidade de:
* wc -c arquivo : quantidade de bytes
* wc -w arquivo : quantidade de palavras
* wc -l arquivo : quantidade de linhas;
* date: mostra data e hora;
* telnet: inicia a TELNET;
* m: abre o MINICOM e permite configurar o modem;
* type: explica um determinado arquivo do sistema;
* file: descreve um determinado arquivo;
* find / - name ____ : procura arquivo "____";
* useradd nome_do_novo_usuário: cria uma nova conta usuário;
* passwd nome_do_usuário: cria ou modifica a senha do usuário;
* userdel -r nome_do_usuário: apaga um usuário;
* su: passa para o superusuário
* sndconfig: permite configurar a placa de som;
* TAR: arquivo para criar Backups:
* TAR -c: cria
* TAR -x: restaura
* TAR -v: lista cada arquivo
* TAR -t: lista os arquivos de backups;
* write: escreve mensagens para outro usuário em rede;
* mv: move arquivos;
* linuxconf: configuração do Linux;
* alias: possibilita a criação de comandos simples;
* ps: relata os processos em execução;
* kill: encerra um ou mais processos em andamento;
* history: mostra os comandos que o usuário já digitou;
* lpr: imprime um arquivo (exemplo: lpr arquivo);
* lpq: mostra o status da fila de impressão;
* lprm: remove trabalhos da fila de impressão;

***fonte: Professor Rubens => www.rbns.com.br e vivaolinux.com.br***

0 comentários:

Post a Comment